11 de mar de 2013

O menino que limpava o mundo



O menino catava o lixo do mundo.
O menino puxava o carrinho.
O cachorro ia atrás.
Menino juntava garrafa de plástico. Cachorro, bola furada.
O menino não tinha pai, não tinha mãe, nem madrinha ele tinha.
Por isso se dizia afilhado da noite e do dia.
O menino andava sob o sol. O menino andava sob a lua.
O dia e a noite perguntaram ao menino:
- Quer andar na claridade ou na escuridão?
Ele respondeu, guloso:
- Ora na claridade, ora na escuridão.
O dia e a noite protegia o menino.
O menino catava carrinho quebrado largado no caminho.
Catava papelão e com ele fazia avião.
O menino e o cachorro passeavam pelas nuvens. O cachorro catava osso de bicho morto. Mas não dava pra comer. Então, entregava para a terra e ela devolvia margarida.
O menino e cachorro limpavam a sujeira do mundo.
O menino era pequeno. O cachorro era pequeno.
O carrinho era enorme.
O cachorro, ora passeava sobre o carrinho; ora puxava o carrinho com o menino dentro dele.  
Encontraram a ovelha com pé quebrado. Foi para o carrinho.
Encontraram a pomba de asa torta. Voou para o carrinho.
Cobra sem rabo. Subiu no carrinho.
O menino encontrou o relógio de um ponteiro só. Apontava o doze.
Para o menino, o cachorro, ovelha, pomba e a cobra sem rabo era sempre meio-dia.
Era sempre meia-noite naquele caminho sem fim.
Eles passeavam e limpavam o mundo.


Conto publicado na revista Crescer 232 Março 2013

5 comentários:

  1. Puxa.. senti uma dorzinho doída no peito pensando nesse menino.. doeu de triste mas doeu de lindo. Fiquei no meio do caminho sem saber se sorria ou chorava.. mas como vontade de ilustrar essa história.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada... tenho uma carinho especial pelas histórias dessa coleção, são 4. E que bom esse desejo de ilustra-la, quem sabe não produzimos uma obra juntos, abraço, Cléo

      Excluir
  2. Cléo: Muito obrigado pelo conto do menino e do cão. Gostaria de partilhar consigo um poema sobre os meninos,da autoria de uma Amiga e Mestre, Maria Beatriz Serpa Branco:

    "o menino é um recém-chegado de outros mundos.
    anunciador de uma distância íntima. de onde nascer
    é revelar

    sinal de uma viagem a um viver separado.

    memória. vaga memória. de brisas além da terra
    em mares de aprofundar.

    ele é o Anjo enviado de nossos reinos secretos. a este mundo de fora onde depois da infância nos encontrámos habitando. sem saber de outro lugar.

    mas o menino é de longe. a Boa Nova soada de praias
    além do mar.

    rosto voltado aos cantos da distância.
    olhos despertos ao acenar do longe.

    de onde vieste e ainda te lembras sem saber lembrar?

    eco de mundos de silêncio o teu silêncio. menino
    de silêncio olhando.
    presença de um Real chamando.
    além das vozes. das coisas. e dos gestos."

    Rui A.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Rui, obrigada pelo retorno e pelo poema sensível e belo da Maria Beatriz, que lindo! abraço, Cléo

      Excluir
  3. Também, lindo! E também senti uma dor no coração por ele...

    ResponderExcluir

Arquivo do blog