4 de dez de 2012

À caminho do sertão



A linguagem, ato do suprassensível,  a casa do ser (como quer Heidegger) me aproxima do sertão. Essa ideia provoca em mim reflexões sobre o homem andarilho que desvenda os duplos e os limites do ilimitado. Sertão. Silêncio. Andarilho. Mensageiro. Quietude. A literatura me leva e  revela em mim o desconhecido. Eu vou. 
Pau dos Ferros. No seu início uma trilha criada por vaqueiros e viajantes que vinham do Rio Grande do Norte em direção à província do Ceará. A trilha aberta entre duas serras margeava um riacho, que aliviava o calor e deixava as caminhadas mais amenas, para os homens e o gado que era conduzido para a venda.



2 comentários:

  1. Cléo, não entendi, o cartaz e a sua agenda dizem que você iria para Pau dos Ferros dia 14 de dezembro. Será que eu enlouqueci e leio tudo do avesso? Será, meu bem, será? Ainda bem que eu não me planejei para ir para Pau dos Ferros ver você derramar encantamento. Risos e beijos.

    ResponderExcluir

Arquivo do blog