11 de set de 2013

O olhar de Neuza

O olhar de Neuza é um espetáculo cênico produzido pela Cia do Abração, Curitiba. Registro aqui a minha voz,  como  um  mimo  que  ofereço às mulheres (e ao feminino dos homens!) fortes e lindas, sensíveis e criativas, que noite de sábado me deram um presente, O olhar de Neuza. E, como neste micro do macrocosmo, tudo é possível, eu observadora, criei uma realidade que iria viver horas depois. O olhar de Neuza já tinha iniciado e eu nem havia me dado conta.
E agora, dizer o que? Que Letícia e Fabiana chegaram à maturidade profissional e que a coerência que permeia suas vidas, se revela como coerência com sua arte? Que a simplicidade e a economia de recursos promoveu a fartura de criatividade? Que a plasticidade cênica criou uma imagética densa e bela, que desceu às profundezas, repercutiu no ser interno e, ao emergir trouxe clareza?
Impossível se referir a este trabalho na dimensão da lógica. Análise? Interpretação? Crítica? Não.Que seja antes, e tão somente, uma lógica sensível. Só dá para falar de O olhar de Neuza pelo viés do mítico, do simbólico e do sagrado.

Paisagens

Cena 1
Eu, no meu quarto seleciono roupas para desafogar o armário. Desafogo também minha alma. Desfaço-me de máscaras que não uso mais. Quero simplificar. Bastam duas, três peças de cada roupa, para compor um vestuário. Experimento. Construo personagens. Desconstruo o personagem. Olho para mim e olho para a roupa. Esta não sou mais eu. Vai para o saco.
Cena 2
- Desculpa minha falta de jeito. Há duas semanas me preparo para vir aqui e trazer uma flor para vocês. Vim assim, destrambelhada, na corrida. Esqueci-me da floricultura. Esqueci-me do dinheiro.
- Mas você está aqui.
- Um mimo. Era só um mimo.
Lágrimas sobem para a garganta, ou descem para a garganta? Lágrima, sobem ou descem, quando querem sair? Controlo. Seguro. Que está acontecendo comigo? Por que o choro agora? O que foi ativado aqui dentro? Não sei. Não sei. Disfarça.
Ela se vai. É a anfitriã. Eu circulo pelo espaço. Sinto que algo se mexe aqui dentro, tira o sossego, tira o prumo. Bom... se fora de prumo já estou é só uma questão de me encontrar neste desnível.
Cena 3
As luzes se apagam. Uma voz robusta e doce enche o espaço. Canta um fado. Traz os fatos. Traz o choro. Engulo outra vez. Fiquem quietas, vocês todas, lágrimas, afetos, desafetos. Silêncio. Não foram convidadas para este espetáculo. Disfarço e engulo.
Ela canta. Canta o choro.
Cena 4
Subitamente uma imagem se materializa do outro lado da vidraça. Uma mulher com olhar vazio. As portas se abrem e sou convidada a entrar num espaço sagrado. Tremulam as lágrimas dentro de mim. Sei que não vou resistir. Piso em folhas secas. O outono já chegou. O outono em mim.
Cena 5
Ela fala que não quer fazer teatro. Que não é a personagem. Que é a outra. A outra. Outra. A outra em mim se agita. Quer sair. Disfarço. Controlo.
Cena 6
Entre fados e fatos se passa uma hora, duas, dez? Sei lá. Sou levada a parques, quintal de terra batida, quarto escuro e frio, precipício diante de mim. Viro puta, escrava, mestre das mestras, mulher, amante, adolescente abandonada no baile de formatura. Viro do avesso.
Mas, ela não sou eu. Ela é a personagem. A Neuza. Eu sou a outra. A que observa. Feito pássaro que olha, de fora. Mas, ela também sou eu. Ela é feita de todas nós.
Cena 7
Não sei de onde, se veio de baixo, ou de cima. Enfim, elas chegaram, grossas, salgadas e abundantes. Não resisto mais. Estou totalmente entregue ao mistério. Cadê meu lenço? Como uma mulher sai de casa sem lenços de papel?
Cena 8
A voz canta. Fado. Destino. Moiras tecendo sem parar. É noite. Uma flor. Aquela flor que eu deveria ter trazido está ali. Vermelha, sangue que não jorra mais. O vermelho sangue se materializa em panos que escorrem pelo tempo do outono. A voz canta. Doce voz.
Cena 9
Eu me desfaço e me deixo desfazer. Eu não tenho nada. Acho que ela dizia, eu não tenho nada. Eu não tenho nada, mesmo assim, trago em mim todos os sonhos do mundo.
Cena 10
A luz se apaga. O ritual acabou. Saio. E lá, onde me deixei estar, restam duas de mim. Ela, a Neuza, e ela, a Voz.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Arquivo do blog